Usina Nardini

O jovem na pandemia e suas perspectivas no mercado de trabalho

O jovem na pandemia e suas perspectivas no mercado de trabalho

O jovem na pandemia e suas perspectivas no mercado de trabalho

"...O mundo ficou louco; as coisas estão começando a ficar pesadas...; eu não consigo evitar pensar que não me sinto assim", este é um trecho da música "Level Of Concern"* composta pela dupla americana de Rock Alternativo Twenty One Pilots, durante esta pandemia.
Conforme diz a música, estes pensamentos certamente já passaram pela cabeça de muita gente, principalmente dos jovens. Muitos neste ano, com planos de tirar a carta de motorista, ingressar na universidade e procurar um trabalho. Este, entre outros temas, têm sido discutidos entre os alunos do projeto Aprendiz do SENAI de Pirangi durante as aulas on-line; e a aluna Samela Baptista de Souza se destacou com suas opiniões.
"Acredito que toda essa situação traga um aprendizado e uma vantagem muito grande para o jovem: o fato dele ter contato com algo novo, com uma experiência nova, uma metodologia diferente da qual estamos habituados, o que pode ser proveitoso, pois tal necessidade exige muita dedicação e desenvolvimento da juventude, que busca capacitar e melhorar suas habilidades interpessoais e suas competências emocionais (que são extremamente importantes e precisam ser trabalhadas), além de desenvolverem uma autonomia e uma adaptabilidade. Fatores extremamente necessários em períodos como esse", afirmou.
Mesmo que este momento apresente as ferramentas que os jovens têm mais facilidade em lidar, ela se mostra preocupada. "Tudo parte de um ponto de vista, existem diversas dificuldades e desafios para os jovens no que tange o ingresso no mercado de trabalho, principalmente em uma época de pandemia, que muda totalmente o curso das coisas, porém, basta utilizarmos esses desafios como motivação para crescer, aprender coisas novas e aperfeiçoar pontos que precisam ser melhorados", frisou.
A Aprendiz comentou que foi proposto em sala pelo Professor Alex Paixão a leitura
da obra "Quem mexeu no meu queijo? ", que fala sobre o medo de mudanças. "Somos uma geração diferente, com novos desejos e posicionamentos. Uma geração que não tem medo de expor o que pensa e que busca, incessantemente ser ouvida. Não queremos um trabalho monótono que nos prive de quem somos e do que podemos oferecer, um trabalho que limite nossos horizontes. Queremos ir além, fazer mais, precisamos ser ouvidos e vistos, manifestar nossas opiniões e debater sobre elas. Vivemos em uma era que deixou de se importar somente com o trabalho mecânico e com o lucro, mas que também deseja o trabalho emocional, a construção do ser, das nossas vontades, daquilo que somos e podemos oferecer através do que pensamos. O fato de não querermos algo que nos imponha limite, nos proporciona a oportunidade de oferecer possibilidades de crescimento e benefício para a empresa", finalizou.


*O nome da música em português é "Nível de Preocupação".

Sobre o momento atual

COVID-19