Usina Nardini

Aprendizes de Pirangi Voltam ás Aulas Via EAD

Aprendizes de Pirangi Voltam ás Aulas Via EAD
Aprendizes de Pirangi Voltam ás Aulas Via EAD
Aprendizes de Pirangi Voltam ás Aulas Via EAD
Aprendizes de Pirangi Voltam ás Aulas Via EAD
Aprendizes de Pirangi Voltam ás Aulas Via EAD

Aprendizes de Pirangi Voltam ás Aulas Via EAD

A tecnologia tem se mostrado a única solução para aproximar as pessoas em épocas em que o distanciamento é necessário. A pandemia trouxe inúmeros prejuízos, além dos já calculáveis na área econômica e social, na educação não poderia ser diferente, mas os 22 Aprendizes de Pirangi arregaçaram as mangas e quiseram continuar agregando qualidade ao curso que fazem pelo SENAI com a ajuda do professor Alex Paixão.
"Dos três modelos de programas de aprendizagem vigentes na Nardini, apenas esse grupo jovens continuaram seu desenvolvimento, pois eles não tem atividades práticas na empresa, apenas aulas teóricas e/ou em laboratórios", comentou Shilton Castro,Analista de Desenvolvimento de Pessoas.
Por isso, de maneira prévia, combinam aulas ao vivo em alguns dias da semana e em outros recebem links e fazem trabalhos e atividades via portal do SENAI. Dessa maneira, os Aprendizes continuam interagindo ainda que digitalmente, em debates, leituras conjuntas e fóruns.
"De repente, essa geração é convidada a lidar com o caos de uma pandemia que os obrigou ao confinamento. Uma pandemia não interfere apenas em um determinado grupo ou segmento empresarial. Ela abraça toda a humanidade. Não existe mais planejamento a longo prazo e a flexibilidade deve ser substituída, urgentemente, pela arte do improviso. Como educador e gestor, sempre tive receio dessa palavra ("improviso"). Em um ambiente empresarial, ela causa desconforto e fica impossível mensurar os resultados. De repente, você é forçado a trabalhar home office, desenvolver habilidades de youtuber, reprogramar os gastos, depender do governo, lidar com a dor do desemprego ou redução salarial e, ainda, lidar com a ansiedade acelerada pelo confinamento. Não experimentei todos os sentimentos listados acima, mas me permiti, como professor, ter empatia quando amparo alunos que lidam com essa situação em casa. Soma-se a isso, a necessidade deles lidarem com a falta de recursos tecnológicos para continuar estudando e trabalhando. E como educador, esse tem sido o maior presente: perceber que os Aprendizes estão aflorando a força da renovação que já estava embutida neles", finalizou o professor Alex Paixão Zavitoski.

Sobre o momento atual

COVID-19